IA, Machine Learning e Deep Learning: é tudo a mesma coisa?

Muito se fala em IA, Machine Learning e Deep Learning. Geralmente, um termo não é citado sem o outro. Mas você sabe o que eles realmente significam? Ao contrário do parece, embora interligados, eles não são a mesma coisa e não desempenham as mesmas funções. O assunto é extenso, mas procuramos resumir para facilitar o entendimento. Confere:

Inteligência Artificial (IA ou AI): Inteligência Artificial é uma subárea da Ciência da Computação que abrange ideias genéricas sobre máquinas que possuem a habilidade de aprender, com intenção de atingir um objetivo, a partir de dados específicos e raciocínio. Podemos dizer que Inteligência Artificial é o começo de tudo, e que é a partir dela que se originam os demais termos. Um exemplo de IA é o reconhecimento de rostos no Facebook. São coisas que podem ser feitas por seres humanos, mas que são melhores executadas por máquinas. E tudo isso graças ao Machine Learning.

Machine Learning (Aprendizagem de máquina): é como se fosse uma “submodalidade” da IA. Por meio de Machine Learning, é possível utilizar algoritmos para coleta de dados, e assim aprender com esses dados, prescrevendo algo. É basicamente “treinar” a máquina para saber o que é melhor fazer com todos os dados que são coletados. Isso se aplica, por exemplo, nas suas preferências de gênero de séries na Netflix. Com base no que você escolher, a máquina irá te apresentar mais séries de determinado gênero, devido ao “cruzamento” de dados e algoritmos que a levaram a tirar essa conclusão. Os computadores literalmente “aprendem”, sem terem sido programados anteriormente para isso, graças ao reconhecimento de padrões e classificações.

Deep Learning (Aprendizagem profunda): também conhecida como criação de redes neurais artificiais, permitindo à máquina semelhanças cognitivas com o cérebro humano. Exemplos disso são as traduções em tempo real.

Basicamente, os três termos são complementares. Juntos, resolvem os mais diversos tipos de problemas, automatizando tarefas que costumavam ser exclusividade de seres humanos em tempo recorde. São vários os exemplos da IA agindo no nosso dia a dia. Dentre estes, podemos citar as assistentes virtuais, carros autônomos que já dirigem sozinhos, motores de busca, chatbots que respondem e agilizam o atendimento ao cliente… a premissa é de que os avanços a partir da IA venham para melhorar a sociedade em vários aspectos, apesar do receio e da incerteza de um futuro dominado por máquinas.

E aí, conseguimos esclarecer? Ainda tem dúvidas sobre os impactos e mudanças trazidas pela IA? Acompanhe os próximos posts, pois ainda iremos discutir muito a respeito!

Ou conheça o curso de Data Protection Officer, no módulo de Segurança da Informação você aprenderá mais sobre isso e muito mais.